O ex-candidato presidencial republicano, Mike Huckabee, respondeu ao comentário do conservador Rush Limbaugh que chamou «cadela» a uma ativista da saúde, afirmou: «Se os democratas querem insultar as mulheres americanas» por defenderem a sua liberdade então não entendem [que] elas não controlam a sua líbido ou sistema reprodutivo sem a ajuda do governo».

Citado pelo Huffington Post, Huckabee diz estar cansado da «guerra contra as mulheres». Na reunião de inverno do Comité Nacional Republicano, desta quinta-feira, afirmou que o «partido reconhece a igualdade e capacidade das mulheres» e que «isto não é uma guerra contra as mulheres, é contra eles [os democratas].

A «guerra» entre democratas e republicanos assenta nas opiniões dispares sobre a legislação da igualdade de remuneração, o financiamento do planeamento familiar e do aborto legal, a falta de mulheres em cargos de liderança, controlo da natalidade e o poder de decisão dos empregados da «Affordable Care Act» na atribuição de planos de saúde.

A «Affordable Care Act», em vigor desde 2010, exige que os seus funcionários tenham o plano completo de saúde, que engloba a contracepção. Os democratas são contra. O jornal refere que muitos americanos conversadores defendem que os empregados devem ter o direito em recusar por coberturas morais.

O conservador Rush Limbaugh chegou mesmo a classificar de «slut« («cadela») uma ativista da saúde das mulheres por esta defender a cobertura da contraceção pela «Affordable Care Act».

Para o ex-governador, as críticas lançadas pelos democratas não têm fundamento. «Se os democratas querem insultar as mulheres americanas» por defenderem a sua liberdade então não entendem [que] elas não controlam a sua líbido ou sistema reprodutivo sem a ajuda do governo».

Mike Huckabee disse aos líderes do Partido Republicano, esta quinta-feira, que as mulheres estão «indignadas» por os democratas as classificarem de «vítimas do seu género», e acharem que elas «não são nada mais do que criaturas indefesas e sem esperança», disse.

Ainda dentro da discórdia generalizada sobre estas questões, os republicanos estão a considerar relançar a discussão sobre o aborto.