Um pouco por todos os estados norte-americanos, acontecem homenagens e vigílias pelas vítimas do tiroteio deste domingo numa discoteca em Orlando, na Florida.

O Empire State Building, em Nova Iorque, manteve as luzes apagadas no domingo à noite em homenagem às vítimas do massacre, havendo também vigílias em diversas cidades nos EUA e no estrangeiro.

Como já tinha acontecido em novembro pelos atentados em Paris e em março pelos ataques em Bruxelas, o Empire State Building em Nova Iorque manteve as luzes apagadas.

Já o One World Trade Center ficou iluminado com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexual).

A cerimónia dos Tony Awards, os prémios do teatro norte-americano, foi também este ano dedicada às vítimas do massacre de Orlando.

Os nossos corações estão com todos aqueles afetados por esta atrocidade”, disse o apresentador James Corden, na abertura da cerimónia, usando um laço cinzento criado pelos Tony Awards para homenagear as vítimas.

A Torre Eiffel, em Paris, vai esta segunda-feira à noite ser iluminada com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade gay, lésbica e transgénero, para homenagear as vítimas do tiroteio.

Num primeiro momento, a presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo, anunciou que a iluminação seria feita com as cores dos Estados Unidos, no início de uma reunião camarária em que foi respeitado um minuto de silêncio em memória das vítimas do que é considerado o maior ataque terrorista na história dos Estados Unidos desde o 11 de setembro de 2001.

Anne Hidalgo expressou a sua “compaixão, solidariedade e afeto” ao povo americano e à comunidade gay, afetados pelo tiroteio, em Orlando, Flórida, nos Estados Unidos.

Pelo menos 50 pessoas morreram e 53 ficaram feridas na madrugada de sábado quando um homem entrou numa discoteca 'gay' de Orlando, na Florida, e começou a disparar indiscriminadamente, antes de ser abatido pela polícia.