Os Estados Unidos garantiram, na sexta-feira, levar "muito a sério" o caso de um míssil, da categoria Hellfire, desativado para efeitos de formação, perdido na Europa no Verão de 2014, que reapareceu em Cuba, em vez de ter sido devolvido.
 

"Este é um assunto que a Administração [norte-americana] leva muito, muito a sério. Creio que por razões mais que óbvias", afirmou o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest, ao ser questionado sobre o assunto na conferência de imprensa diária.


Por outro lado, o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, limitou-se a dizer que as empresas norte-americanas são "responsáveis" por documentar os planos logísticos nas entregas de material militar, e por informar o Governo sobre qualquer desvio.

A informação tinha sido avançada pelo “Wall Street Journal” e o insólito de um míssil norte-americano acabar na posse de um Estado com o qual nem sequer tinha relações diplomáticas resultou de uma sucessão de alegados erros logísticos na Europa.

O Hellfire chegou a Cuba há 18 meses, antes portanto da aproximação diplomática entre Washington e Havana iniciada em dezembro de 2014.

O governo norte-americano tem o hábito de transportar estes mísseis desativados e incompletos, produzidos pelo grupo Lockheed Martin, antes de os vender operacionais, para fins de treino e formação, como foi o caso recentemente no Iraque, disse à AFP um conhecedor do sistema.

Os diplomatas e militares norte-americanos não têm juridicamente o direito de se exprimir publicamente sobre contratos comerciais de armas.

No Verão de 2014, o míssil tinha sido enviado para Espanha pelo construtor com a autorização do Departamento de Estado para exercícios militares da NATO.

A arma deveria depois ter sido reenviada, por avião comercial, para o Estado da Florida, via Frankfurt, de acordo com a mesma fonte.

Foi então que começou a cadeia de erros logísticos, que levaram o míssil a ser carregado num camião fretado pela Air France, em direção ao aeroporto de Roissy, e depois colocado a bordo de um avião cargueiro da transportadora aérea para Havana, de acordo com aquele jornal, que citou fontes anónimas.

Os norte-americanos, que se reaproximaram dos cubanos, não querem, por princípio, que a sua tecnologia caia nas mãos de países estrangeiros, muito mais quando se trata de potências concorrentes, como a Federação Russa ou a China.