O Supremo Tribunal de Justiça dos Estados Unidos determinou que o Irão deve indemnizar em quase dois mil milhões de euros as famílias das vítimas dos americanos mortos por ataques atribuídos à República Islâmica.

O tribunal ratificou assim uma lei de 2012, que determinava a distribuição de ativos iranianos depositados em bancos americanos às famílias das vítimas de um atentado terrorista a Beirute, capital do Líbano, que matou 241 militares em 1983, além de outros ataques de grupos apoiados alegadamente pelo governo iraniano.

Entre os beneficiados pela decisão estão também os familiares dos 19 militares americanos que morreram em 1996 num atentado contra um complexo de casas militares conhecido como Torres Khobar, na cidade saudita de Dahran.

O processo, que dura há dois anos, tinha sido aberto por mais de mil americanos, que acusavam o Irão de apoiar Hezbollah, um grupo militar e político islâmico responsável pelo bombardeamento de uma sede da Marinha americana há 33 anos.

Nós estamos extremamente satisfeitos com a decisão do Supremo Tribunal, que vai proporcionar o alívio há muito esperado para mais de mil vítimas do terrorismo iraniano e suas famílias. Muitos esperaram décadas por uma compensação”, explicou à Sky News Ted Olson, o advogado das vítimas.