A polícia federal norte-americana (FBI) informou esta quinta-feira que o tiroteio de julho contra duas instalações militares em Chattanooga (Tennessee), no qual morreram cinco pessoas, foi “motivado por propaganda de uma organização terrorista estrangeira".

Esta foi a primeira vez que as autoridades revelaram detalhes sobre os motivos que levaram o cidadão do Kuwait nacionalizado norte-americano Muhammad Youssef Abdulazeez, de 24 anos, a acabar com a vida de quatro soldados e de um oficial, além de ferir outras pessoas.

Em conferência de imprensa em Nova Iorque, o diretor do FBI, James Comey, disse que “não há dúvida de que o assassino de Chattanooga foi inspirado e motivado por propaganda de uma organização terrorista estrangeira”, embora tenha acrescentado que é difícil determinar qual foi a organização em questão.

Muhammad Youssef Abdulazeez era licenciado em Engenharia, pela Universidade de Tennessee. Era um cidadão jordano, nascido no Kuweit, mas tinha conquistado a cidadania norte-americana por naturalização.  
 
Em poucos minutos, o jovem abriu fogo contra duas instalações militares militares na cidade Chattanooga, separadas por alguns quilómetros. Os motivos ainda são desconhecidos. Além dos quatro militares mortos, o atirador também morreu, e três pessoas ficaram feridas.