David Wolfe Leopold é um dos maiores especialistas na influência dos hispânicos na sociedade norte-americana. Ex-presidente da American Immigration Lawyers Association, é forte apoiante da Reforma de Imigração que o Presidente Obama tem vindo a tentar implementar.

É comentador em sites de referência, como «Huffington Post» e o «The Hill» e tem presença frequente na CNN, Al-Jazeera America, CCTV-America, The New York Times, Congressional Qarterly, The Los Angeles Times e The Washington Post.

Em entrevista, este advogado de Cleveland, Ohio, explica as vantagens políticas e económicas que o acordo EUA/Cuba poderá vir a ter e vê a reabertura da embaixada americana em Havana como um dado consumado embora ainda sem data prevista, considerando improvável que se concretize o desejo anunciado por Barack Obama de que corresponda com a Cimeira das Américas, que tem início esta sexta no Panamá (e onde se espera encontro entre Barack Obama e Raul Castro).

«Obama fez acordo geracional e a normalização de relações com Cuba será uma realidade incontornável, mesmo para quem, agora, a critica, por interesses políticos de curto prazo», apontou, em alusão às oposições de republicanos como Marco Rubio ou Jeb Bush.

David Leopold elogia ainda as medidas de Barack Obama sobre Imigração e relativiza a importância do voto latino na decisão das primárias republicanas ( «talvez com a exceção da Florida»), embora recorde que, «na eleição geral, ele já terá um grande peso». E isso «pode ser um problema» na dinâmica da escolha do nomeado republicano, avisa.

Exclusivo site TVI24

Os hispânicos foram muito importantes para a reeleição de Obama (votação muito superior em relação a Romney, acima dos 70 por cento). Acredita que Hillary Clinton nos latinos, frente ao nomeado republicano, seja idêntica, especialmente se esse nomeado for Bush ou Rubio?

Sim, acredito que se mantenha. A menos que os republicanos se moderem no seu extremismo anti-imigração, anti-latinos, Hillary Clinton poderá passar dos 70% nesse segmento, tal como conseguiu o Presidente Obama em 2012.


Que candidato presidencial poderá obter, em 2016, mais apoio dos latinos?

Acredito que a posição republicana de desvalorizar os latinos (incluindo em questões como a Reforma da Saúde e a Imigração) poderá custar-lhes a Casa Branca em 2016 e mesmo para a frente.


As medidas executivas unilaterais tomadas pelo Presidente Obama em novembro, sobre Imigração, foram efetivas? O risco de cerca de cinco milhões de pessoas serem deportadas dos EUA está controlado? E o grande problema tem agora um caminho para ser resolvido?

As medidas de novembro estão temporariamente suspensas, em função de uma ação judicial tomada no Texas pelos republicanos. Espero que o tribunal de apelo reverta a ação judicial de suspender as medidas do Presidente. Mas é importante lembrar que as ações executivas do Presidente Obama são, no máximo, uma medida temporária. Não criam um caminho duradouro na questão da imigração, um «green card» ou a cidadania. Apenas o Congresso pode fazer isso. Infelizmente, o Congresso recusa-se a resolver o problema de um sistema de imigração que não funcionam. E, enquanto isso não for feito, um sistema disfuncional vai continuar a infetar a América, vai continuar a prejudicar os negócios, vai continuar a adiar separar famílias.


LEIA AINDA:

«A política dos EUA em Cuba era vestígio ultrapassado da Guerra Fria»

David Leopold: «Acordo com Cuba vai desafiar os republicanos no Senado»