O secretário de Estado norte-americano pediu hoje a Pyongyang que suspenda os ensaios de mísseis como primeiro passo para regressar à mesa das negociações, destacando que a comunidade internacional está unida no objetivo da desnuclearização.

“O melhor sinal que a Coreia do Norte poderá enviar para mostrar que está disponível para dialogar é parar com os disparos de mísseis”, afirmou Rex Tillerson, aos jornalistas, à margem de um fórum da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), na capital das Filipinas.

Esta é a primeira vez que o chefe da diplomacia norte-americana refere um passo concreto a seguir por Pyongyang com vista ao reiníncio das negociações sobre o cada vez mais avançado programa de armas nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.

Já o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o homólogo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, optaram por sublinhar uma posição mais dura com o regime e concordaram, no domingo, que Pyongyang constitui uma ameaça “grave e crescente” durante uma conversa telefónica.

“Os dois dirigentes afirmaram que a Coreia do Norte representa uma ameaça direta grave e crescente para os Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, bem como para a maioria dos países do mundo”, indicou a Casa Branca, num comunicado divulgado após uma conversa telefónica, de aproximadamente uma hora, entre os dois líderes.

Donald Trump e Moon Jae-in prometeram também aplicar “qualquer resolução pertinente” contra a Coreia do Norte e instaram a comunidade internacional a fazer o mesmo.