Um homem de 25 anos foi, esta sexta-feira, condenado a 100 anos de prisão por ter assassinado uma professora de 43, quando a tentava raptar, em Sidney, Estado do Montana, EUA.

Segundo a Associated Press (AP), Michael Keith Spell e o seu cúmplice, Lester Van Waters Jr., tentaram raptar Sherry Arnold enquanto esta corria ao pé de casa. O seu corpo foi descoberto perto de Williston, Estado da Dokta do Norte, a cerca de 80 quilómetros do local do crime.

O coautor do crime já tinha sido condenado, em dezembro, a 80 anos de prisão.

A defesa de Spell  alega, no entanto, que o homem tem limitações a nível mental, e que deve ser enviado para uma instituição psiquiátrica, em vez da prisão. O advogado do homicida confesso disse que os problemas mentais de Spell impedem-no de compreender a lei.

Spell e Waters, ambos do Estado do Colorado, viajaram para o Montana em busca de emprego no seguimento de um «oil boom», expressão utilizada para descrever a descoberta de petróleo.

Durante a viagem, os dois arguidos terão consumido crack (derivado da cocaína), uma droga que, segundo terá dito, Waters «libertava o diabo que existia nele». Foi nesta altura que ambos terão começado a discutir o rapto da professora Arnold.

Os advogados de Spell dizem que, o agora condenado, foi ameaçado de morte pelo cúmplice, caso não cumprisse o plano acordado. 

O par acabou por abordar a professora e Spell ficou encarregue de a agarrar, porém, Sherry ripostou e acabaria asfixiada pelo agressor.

A defesa considera que, dado o seu estado mental, Michael Spell não deveria ter ido sequer a julgamento e vai recorrer da sentença. Em caso de vitória, o homicida será enviado para um hospital psiquiátrico.