A Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos prometeu não voltar a usar no âmbito das suas operações falsas campanhas de vacinação, como ocorreu há três anos nas buscas pelo então líder da Al-Qaida, Osama Bin Laden.

O compromisso foi feito em exclusivo ao jornal «The Washington Post» por um assessor de Segurança Nacional do Presidente norte-americano, Barack Obama, numa carta de resposta a outra missiva em que os decanos de doze faculdades de saúde pública norte-americanas se queixavam dos prejuízos inerentes a este tipo de práticas.

O diário, que adiantou a informação esta madrugada, cita como fontes a referida assessora Lisa Monaco e a porta-voz do Conselho de Segurança da Casa Branca, Caitlin Hayden.