Dois bombeiros foram suspensos de funções por transportarem uma criança que estava a sofrer convulsões para o hospital num veículo sem licença para tal. Os pais da bebé não percebem como é que aqueles dois homens, que provavelmente salvaram a vida a filha, estão naquela posição.

“Aos nossos olhos, eles são heróis”, disse o pai. 

O caso ocorreu em Stafford, no estado norte-americano da Virginia, como noticiou a Fox5, no sábado. Os factos remontam ao passado dia 27 de fevereiro, quando Brian Nunamaker ligou o número de emergência 911 (semelhante ao 112 em Portugal) a pedir socorro para a filha que estava a sofrer convulsões no meio da rua. 

Os dois bombeiros, que se encontravam perto, dirigiram-se logo para o local e, na falta de resposta por parte de um meio de emergência médica nas proximidades, resolveram transportar a criança para o hospital no carro de combate a incêndios.

Segundo a Fox5, a criança deu entrada no hospital 13 minutos depois da chamada. A menina ainda sofreu um segundo ataque já nas urgências, mas, felizmente, já está em casa com os pais.

“Só tiveram em atenção o melhor interesse da nossa filha"

O pai, Brian Nunamaker, disse que “ele e a mulher estão profundamente agradecidos pela assistência prestada [pelos bombeiros], que imediatamente ocorreram ao local”, já que, segundo a médica que recebeu a criança, “o tempo é muito importante na resposta a ataques”, disse o pai. A bebé chegou a ter o lado esquerdo paralisado, mas o pior já passou.

Por tudo isto, os pais da menina não compreendem a atitude da câmara, que suspendeu os dois bombeiros por transportarem a criança no veículo de combate a incêndio, entendendo que violaram o protocolo.

Com efeito, uma ambulância veio a responder ao pedido de socorro, sugerindo encontrar-se com o carro de bombeiros já perto do hospital. Estes declinaram a sugestão por se encontrarem já muito perto da unidade hospitalar.

Brian Nunamaker reiterou que o casal “está grato [aos bombeiros] pela decisão que tomaram”, uma vez que eles “só tiveram em atenção o melhor interesse da nossa filha (…) Aos nossos olhos, eles são heróis”.

Um dos bombeiros visados, ouvido pela Fox5, também considerou não ter violado nenhuma regra. Já o departamento camarário responsável preferiu não prestar informações enquanto o inquérito estiver a decorrer.