Barack Obama que deixou de fumar em 2011, após 30 anos a consumir tabaco, surge numa fotografia, tirada pelo porta-voz do primeiro-ministro italiano, aparentemente a tirar um cigarro de um maço durante a reunião dos G7, na Alemanha, o que sugere que terá voltado a fumar.

Apesar de até ter aprovado uma lei que reforça o combate ao tabagismo em 2009, esta não é a primeira vez que Obama tem uma “recaída”. Ainda durante a campanha eleitoral que o levou a presidente dos EUA, Obama fumava em segredo (costumava pedir cigarros aos ajudantes de campanha), mesmo tendo prometido à sua mulher Michelle, que se esta apoiasse a sua corrida à Casa Branca deixaria os cigarros.

 

 

                  

                                      Barack Obama e Matteo Renzi (Reprodução/nomfup)

 

“Ele sempre quis deixar [de fumar]. [E] quando alguém está a fazer algo certo não te deves meter no seu caminho”, disse, na altura, a primeira-dama norte-americana ao “Telegraph”.

 

 

“Luto [com o vício] constantemente. Se já escorreguei várias vezes? Sim. Se sou um fumador diário e constante? Não”, disse Obama.

Mais recentemente, em 2014, o músico Billy Joel disse ter fumado um cigarro com o presidente dos EUA numa visita recente à Casa Branca. Joel disse que foi convidado por Obama a deslocar-se à saída para ir fumar e que não foi capaz de recusar.

"Estive na Casa Branca recentemente, e o presidente Obama [disse]: 'Vou até à saída norte fumar um cigarro. Quer vir comigo?'. (...) Bem, não fumo há muito tempo,[mas não vou recusar um cigarro do presidente]".

A história foi depois desmentida por uma fonte próxima de Obama ao "Business Insider", que garantiu que Obama estava "comprometido" com a decisão de não voltar a fumar.