O exército norte-americano está a rever vários incidentes em que civis podem ter perdido a vida em ataques aéreos da coligação contra o Estado Islâmico no Iraque a na Síria.

Esta é a primeira vez que os Estados Unidos reconhecem que a «guerra aérea» pode ter causado danos a civis.

O Comando Central norte-americano, que supervisiona a missão aérea, começou por analisar 18 casos e concluiu que 13 não eram credíveis, mas cinco mereciam uma investigação mais aprofundada. Desses, dois incidentes - um no Iraque e outro na Síria - motivaram investigações formais, disseram fontes da Defesa à AFP.