À medida que os Estados Unidos avançam a passos largos para o tão esperado mês de novembro, Donald Trump multiplica os esforços na corrida à Casa Branca.

No mês de julho, o magnata duplicou os gastos com a campanha, de acordo com documentos da Comissão Federal de Eleições divulgados este domingo. Ainda assim, gasta apenas metade da adversária Hillary Clinton, emprega menos de 80 pessoas e não tem anúncios a passar na televisão.

O candidato republicano gastou cerca de 18,5 milhões de dólares com a campanha em julho, comparado com os 38 milhões gastos por Hillary, que tem um staff de cerca 700 pessoas em todo o país.

Mas enquanto poupa no pessoal, Trump também tem tido algumas despesas inusitadas: gastou 420.000 dólares com os bonés com o seu slogan “Make America Great Again”.

As duas campanhas têm-se revelado muito diferentes na forma como canalizam o dinheiro. Dos 38 milhões que Clinton gastou no mês passado, cerca de 26 foram em publicidade televisiva e 3,3 milhões de dólares foram com os trabalhadores.

A maior despesa do magnata em julho foi ao dar um novo impulso para a captação de recursos online. O candidato investiu, no mês passado, oito milhões e meio de dólares em marketing digital. A compra de bonés e t-shirts rondou os dois milhões. Com os trabalhadores, a despesa foi de menos de um milhão: 921 mil dólares.

Trump chegou a investir 52 milhões de dólares na própria campanha, mas agora a maior parte do esforço financeiro vem de empréstimos e doações dos apoiantes.