O Presidente afegão, Hamid Karzai, anunciou, esta quinta-feira, que entre 10 mil e 15 mil soldados estrangeiros poderão ficar no Afeganistão após a retirada da NATO, no final de 2014, se um acordo de segurança com os EUA for assinado.

Karzai precisou que as tropas poderão ser norte-americanas, mas também originárias de outros países, como a Turquia.

O Presidente afegão falava perante a Loya Jirga, a assembleia tradicional afegã (com 2.500 representantes da sociedade afegã), que analisará até domingo em Cabul o acordo bilateral de segurança negociado nos últimos meses entre os Estados Unidos e o Afeganistão.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciou na quarta-feira ter chegado a acordo com o Presidente afegão, Hamid Karzai, sobre a manutenção de tropas norte-americanas no Afeganistão depois de 2014.

John Kerry disse que ambos chegaram a um consenso sobre os «termos do acordo», considerado importante para a estabilidade do Afeganistão, através de conversas telefónicas.

Cabul divulgou um projeto de acordo sobre as modalidades de uma possível presença militar norte-americana no Afeganistão, segundo o qual os soldados norte-americanos que ficarem no país depois de 2014, quando termina a missão da NATO, beneficiarão de imunidade local, que era o principal ponto de discórdia entre os dois países.