Uma hora depois de ter sido dado como certo que é o novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama chegou a Grant Park, em Chicago, a sua terra natal, para o primeiro discurso de vitória.

Obama: 52 por cento dos votos

Depois de John McCain ter assumido a derrota, Barack Obama garantiu a uma multidão de mais de 125 mil pessoas que «a mudança chegou à América». Pelas ruas de Chicago, os media norte-americanos estimam que mais de um milhão festeje a vitória de Barack.

O que prometeu Obama

«Se alguém ainda tinha dúvidas sobre o poder da democracia nos Estados Unidos da América, hoje teve a resposta», disse Obama, não esquecendo os eleitores que «esperaram quatro horas para votar, porque acreditavam que conseguiam fazer a diferença: pretos, brancos, hispânicos, nativo-americanos - nós hoje mandamos uma mensagem para o mundo: não somos uma colecção de estados; somos os Estados Unidos da América».

Depois de ter agradecido o telefonema «extremamente gracioso do senador McCain, que lutou longamente nesta campanha e ainda mais pelo país que ama», o presidente Obama afirmou que espera trabalhar com McCain e Sarah Palin «para renovar a promessa desta nação».

McCain faz elogios a Obama e apela à união

Obama, no discurso de agradecimento, não esqueceu ninguém: desde Joe Biden, até ao seu staff, passando pela mulher e filhas, até à sua família; uma palavra especial à avó que morreu segunda-feira. «Eu sei que a minha avó me está a ver».

Uma palavra especial a quem acreditou na sua campanha desde o início, quando a candidatura tinha pouco dinheiro e poucos apoios. «Esta é a vossa vitória; e sei que não fizeram isto por mim, ou para ganhar uma eleição, mas porque têm noção do que aí vem». E os desafios são muitos, garante. Da guerra, a uma crise económica grave, Barack Obama avisa que «o caminho será longo». Podemos não chegar lá em um ano, nem sequer num mandato, mas América¿ nunca estive com mais esperança do que agora de que chegaremos lá. E chegaremos lá como um povo».