Um estudo divulgado, esta semana, pelo British Medical Journal revela que uma em cada 200 jovens norte-americanas que diz ser virgem, garante que já ficou grávida, escreve a AFP.

No estudo de longa duração, realizado entre 1995 e 2009, participaram 7.870 mulheres. A participação era confidencial. No final, 45 mulheres, 0,5% afirmou ter ficado grávida sem contato sexual a envolver penetração vaginal.

Nenhuma terá ainda referido recurso a técnicas de procriação clinicamente assistida.

Um terço destas mulheres fizeram um voto de castidade, algo comum entre os cristãos conservadores nos Estados Unidos.

As conclusões têm por base perguntas relacionadas com o histórico das gravidezes e o início das relações sexuais. Em nenhum momento terá sido colocado, de forma direta, a pergunta se eram ou não virgens, no momento em que ficaram grávidas.

De acordo com a AFP, apesar dos cuidados tomados, os investigadores admitem «falta de compreensão» em algumas perguntas. Os autores do estudo disseram ainda que também encontraram alguns «pais» virgens, por isso, o fenómeno não se limitou ao sexo feminino.

Estes resultados acabam por mostrar que não é fácil obter informações precisas sobre a vida sexual dos mais novos e que ainda há muito a fazer no âmbito da educação sexual.