Um estudo realizado pela universidade norte-americana de Caltech, na Califórnia, e publicado recentemente na revista Nature Neuroscience, concluiu que a água tem sabor e é azeda.

Para chegar a esta conclusão, os investigadores recorreram a ratos de laboratório e à optogenética, que permite o estudo de circuitos neuronais e comportamentos mediante técnicas que combinam luz, genética e bioengenharia.

Muitas espécies de insetos são conhecidas por 'provar' água, por isso pensámos que também os mamíferos pudessem ter essa capacidade de detetar água", explicou o professor de Biologia daquela universidade, Yuki Oka.

E essa capacidade está nas 'células azedas', quiseram provar os cientistas. Durante a investigação estas células que detetam o sabor azedo foram estimuladas com luz em vez de água. 

A água dos animais foi, assim, substituída por uma luz azul. E foi possível verificar que os ratos procuravam a luz 'para beber'. Apesar de não ficarem hidratados, pois ali, recorde-se, não havia água, os ratos continuavam a lamber a luz, porque esta lhes ativava a sensação de presença de água.