Donald Trump está a colocar os Estados Unidos "no caminho da Terceira Guerra Mundial" com as suas ameaças, alertou, no domingo, o presidente da Comissão de Relações Internacionais do Senado, Bob Corker.

Ele preocupa-me. E deve inquietar todos aqueles que se preocupam com a nossa nação”, afirmou o senador republicano, ex-apoiante do então candidato presidencial do seu partido, numa entrevista publicada pelo The New York Times.

Bob Corker diz mesmo que o presidente dos Estados Unidos gere a sua administração como se fosse um reality show, "como se estivesse em O Aprendiz [The Apprentice no original] ou algo do género", referindo-se em concreto a um concurso apresentado por Trump.

No Senado desde janeiro de 2007, Corker, eleito pelo Tennessee, anunciou em setembro último que não pretende concorrer a um terceiro mandato em novembro do próximo ano. Trump escreveu no Twitter que faltou coragem ao senador para se recandidatar.

O senador respondeu que "é uma vergonha que a Casa Branca se tenha tornado num centro de dia".

Mas a lavagem de roupa suja na rede social não ficou por aqui. 

Trump contou que Corker lhe "implorou" pelo seu apoio e por isso ele anunciou que não se recandidaria. O presidente dos EUA afirmou, ainda, que o senador queria ser secretário de Estado, ao que Trump disse ter respondido "NÃO, OBRIGADO".

Considerações que Corker diz serem mentira.

Não sei porque o presidente twita coisas que não são verdade. sabemos que o faz, todos sabem que o faz, mas ele continua a faze-lo", condenou.

O Presidente da Comissão de Relações Internacionais do Senado revelou, citando fonte oficial, que " cada dia na Casa Branca passa por conter Trump", comentário que Washington não quis clarificar.

A troca de provocações não é de agora e adensou-se nos últimos dias, sobretudo depois da tomada de posição de Corker relativamente a Tillerson, que terá chamado "idiota" a Donald Trump. O senador defendeu que Rex Tillerson é uma das três pessoas que "separam os Estados Unidos do caos".

Próximo de Tillerson, o senador lamentou, ainda, as posições de Trump sobre a Coreia do Norte, contrárias às do secretário de Estado, que assumiu publicamente existirem conversações diplomáticas entre os dois países na sequência da escalada de tensão.

Muitas pessoas pensam que é uma espécie de estratégia do polícia bom, polícia mau que está em curso, mas isso não é verdade."