O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vetou na sexta-feira uma lei que permitiria aos familiares das vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 processar a Arábia Saudita.

Expressando a sua “profunda simpatia” pelas vítimas e afirmando compreender o seu “desejo de justiça”, Barack Obama sublinhou que a lei “teria um impacto negativo sobre a segurança nacional dos Estados Unidos”.

A Casa Branca considerou que o texto comprometeria o princípio da imunidade que protege os estados (e seus diplomatas) e poderia provocar um efeito ‘boomerang’ e expor os Estados Unidos a processos judiciais em vários tribunais de todo o mundo.

Em comunicado, Obama mostrou-se solidário com as famílias das vítimas, mas afirmou que a proposta seria "contraproducente" ao interesse de segurança nacional dos Estados Unidos.

O líder da Casa Branca referiu ainda que esta lei minaria o princípio de imunidade soberana.

O veto de Obama pode, contudo, ser anulado pelo Congresso, de maioria republicana, algo que seria inédito desde que o atual presidente assumiu funções.