O patrão do Facebook, Mark Zuckerberg lamentou os acontecimentos recentes no Minnesota e no Luisiana, nos Estados Unidos. Os vídeos, publicados no Facebook, mostravam a alegada violência policial sobre dois afro-americanos.

Num post, o criador da rede social deu os sentimentos às famílias das vítimas e aos utilizadores que visualizaram as imagens.

O meu coração está com a família das vítimas e com todas as outras que passaram por esta tragédia. Estou solidário também com todos os membros da comunidade do Facebook, que estão profundamente preocupados com estas situações”, lê-se no comunicado.

Zuckerberg desejou que estas situações não voltem a ser vistas na rede social:

As imagens que vimos durante esta semana são graves e de partir o coração. E dão uma ideia sobre o medo que milhões de utilizadores da nossa comunidade vivem todos os dias. Espero que nunca mais tenhamos de ver outro vídeo como este. Isto lembra-nos que é importante nos unirmos para construir um mundo mais solidário”, disse Zuckerberg.

O criador da rede social Facebook referia-se, neste post, ao vídeo divulgado na quarta-feira, onde um homem é abatido a tiro pela polícia, depois de já estar imobilizado no chão. O caso aconteceu no Luisiana e tem sido replicado milhares de vezes nas redes sociais.

As imagens deram argumentos para protestos nas ruas, e outra publicação fez aumentar a indignação popular.

Uma mulher mostrou ao mundo, e em direto, o momento em que o namorado, que tinha sido mandado parar por causa de um farol partido, foi alegadamente alvejado pelo polícia quando, aparentemente, tentou ir ao bolso buscar a identificação que lhe estava a ser solicitada.

O presidente dos Estados Unidos já reagiu às imagens e afirmou que as pessoas "devem estar preocupados" com os últimos acontecimentos no Minnesota e no Luisiana.