O líder supremo do Irão ameaçou esta quarta-feira "rasgar em pedaços" o acordo nuclear assinado em 2015 com outras seis potências se alguma das partes o romperem e instou a Europa a fazer mais para apoiá-lo.

Não quebraremos o pacto antes que outra parte o faça, mas se rompem o JCPOA (Plano Integral de Ação Conjunta, nome formal do acordo nuclear), nós vamos rasgá-lo em pedaços", disse o ayatollah Ali Khamenei, num discurso publicado na sua página oficial.

O presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou na sexta-feira abandonar o acordo multilateral se não forem corrigidos os seus "defeitos", mediante uma negociação internacional ou uma lei do Congresso norte-americano.

A ameaça feita por Donald Trump recolheu o apoio de israelitas e sauditas e a crítica de outras potências ocidentais, da Federação Russa e de Teerão.

O acordo nuclear entre o Irão e o grupo de países 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China – e a Alemanha) foi alcançado em julho de 2015 em Viena, ainda sob a alçada da administração do presidente Barack Obama.

O acordo foi assinado com o objetivo de garantir a natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear iraniano.

Desde que entrou em vigor, a 16 janeiro de 2016, a administração americana certifica-se, a cada 90 dias, perante o Congresso, de que Teerão está a respeitar os termos acordados e se o pacto favorece o “interesse nacional” dos Estados Unidos.

Essa certificação é feita ao abrigo de uma lei aprovada.