O Pentágono confirma que o Irão tem feito ataques aéreos a alvos dos jihadistas com sede no Iraque e a Al-Jazeera tem imagem do aparelho identificado como pertencendo às forças iranianas.

Estados Unidos e Irão enfrentam um inimigo comum: o Estado Islâmico. Mas, tal não significa que o Irão se vá juntar aos Aliados no combate aos radicais islâmicos, advertem as autoridades norte-americanas: «Nada muda», tal como o Secretário de Estado John Kerry tinha afirmado em setembro.

A Casa Branca já garantiu, através de um comunicado, que os Estados Unidos não vão cooperar com o Irão.

«Neste momento, a nossa política em relação aos iranianos não mudou. Não vamos cooperar [com o Irão]», assegurou o porta-voz  Josh Earnest.

Fontes militares iranianas, por seu turno, também afirmaram à Al-Jazzera que não há cooperação com os Estados Unidos. O Chefe de Estado Maior das Forças Armadas iranianas disse, em declarações à agência noticiosa do Irão que essa aliança não se poderia verificar, uma vez que, o Irão considera os Estados Unidos responsáveis pelo clima de instabilidade e guerra civil que se vive no Iraque.

Os americanos acrescentam que cabe ao Iraque a gestão do seu espaço aéreo.

A NATO reúne-se em Bruxelas para decidir estratégias de controlar o movimento extremista islâmico, que pretende constituir um Califado e que se propaga por vários países muçulmanos, com parte da Síria e do Iraque em seu poder.

Nesta reunião, os membros da NATO vão tentar encontrar, para além das estratégias militares, estratégias para controlar a propaganda do Estado Islâmico nos países ocidentais, nomeadamente através da Internet e travar os seus focos de recrutamento.