O olho do furacão Harvey tocou terra no Texas, Estado que poderá sofrer "inundações catastróficas" por chuvas intensas e ventos ciclónicos, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

O Harvey, inicialmente de categoria 4 na escala de Saffir-Simpson (em que o máximo é 5), tocou terra em Rockport, perto de Corpus Christi, por volta das 22.00 de sexta-feira (04:00 de hoje em Lisboa), com ventos máximos de 215 quilómetros por hora.

Entretanto, o furacão perdeu força e passou à categoria 1. Ainda assim, regista ventos de 145 quilómetros por hora.

Já há cortes de energia e comunicações a afetar pelo menos 200 mil pessoas, assim como as primeiras inundações. Não há registos de vítimas até ao momento.

Até agora, segundo a Reuters, a cidade de Rockport é a mais atingida. Cerca de 10 pessoas terão recebido tratamento depois de o telhado de um lar de idosos ter colapsado.

Cerca de dois terços da população de Rockport aceitou sair da cidade e o autarca local aconselhou quem ficou a escrever os seus nomes nos braços para ser mais fácil a identificação em caso de morte ou ferimentos graves.

Trata-se do furacão mais potente a tocar terra nos Estados Unidos desde o Katrina, em 2005, e deve afetar sobretudo os Estados do Texas e do Luisiana nos próximos dias.

O presidente norte-americano, Donald Trump, declarou na sexta-feira o estado de catástrofe natural a pedido do governador do Texas.

“A pedido do governador do Texas, já assinei a declaração de catástrofe natural, que liberta todo o poder de assistência do governo” federal, anunciou Trump através da rede social Twitter.

Antes, o governador do Texas, o republicano Greg Abbot, advertiu a população de que o Estado iria sofrer “inundações históricas” e pediu que se prepare para “um grande desastre”.