Um homem foi considerado culpado de 27 crimes por criar um site pornográfico de vingança, nos Estados Unidos. A página foi concebida para que ex-maridos e namorados pudessem publicar fotos explicítas das vítimas. Kevin Boallaert, de 28 anos, pode cumprir até 20 anos de prisão

Um funcionário do tribunal demorou 20 minutos a ler a lista de condenações contra Kevin Bollaert, culpado de 21 crimes de roubo de identidade e 6 de extorsão.

O caso é o primeiro do género no Estado da California e centra-se na página «YouGotPosted.com». O site, que já não está operacional, continha mais de 10 mil fotos sexualmente explicitas, sem o conhecimento das vítimas.

Informações pessoais como nomes, localização e endereços do Facebook também foram divulgados. Quem quisesse retirar as fotos da rede, era direcionado para outra página de Boallaert, «ChangeMyReputation.com», que cobrava às vitimas, a maioria mulheres, até 350 dólares (cerca de 300€).

«Ele é um indivíduo vingativo, que tem prazer ao prejudicar as pessoas», disse a procuradora-geral adjunta Tanya Austin.

O Ministério Público afirmou que Boallert ganhou milhares de dólares com o esquema. Mais de duas dezenas de pessoas foram consideradas vitimas na queixa-crime. Algumas testemunharam no julgamento sobre o assédio, medo e humilhação de que foram alvo.

«Arruinou a minha vida e ainda estou a passar por isso», disse uma mulher, que foi expulsa de casa depois da publicação de fotos. «Perdi a minha família. Acham que os envergonhei. A minha reputação está arruinada», acrescentou.

Emily Rose-Weber, advogada do Bollaert, argumentou em tribunal que o cliente pode ter gerido um negócio imoral, mas não infringiu a lei.

«É nojento e ofensivo, mas não é ilegal».

O juiz ordenou que Ballet ficasse em prisão preventiva, sob uma fiança de 450 mil dólares.

O Estado da California é o primeiro a julgar alguém por publicar fotos humilhantes de outros na Internet. É também pioneiro em leis nesta área. Em 2013, o Governador Jerry Brown assinou uma ordem executiva, que proíbe a publicação online de fotos explicitas, que identifiquem as vítimas, depois de uma separação. As sanções consistem numa multa de mil dólares ou seis meses de prisão.