O furacão Florence provocou as duas primeiras vítimas na tarde desta sexta-feira, quando uma mulher e o seu filho morreram devido à queda de uma árvore sobre a casa em que viviam na cidade de Wilmington, na Carolina do Norte.

A polícia local informou através da rede Twitter que o pai sofreu ferimentos e foi transportado para um hospital.

As autoridades dão ainda conta de duas outras mortes associadas à intempérie. Em Pender County, uma mulher teve um ataque cardíaco e as equipas de emergência não conseguiram chegar até ela, porque as estradas estavam bloqueadas com árvores caídas e outros destroços.

Uma quarta morte ocorreu em Lenoir County, onde um homem foi vitimado quando tentava ligar um gerador de emergência.

Mais tarde, a polícia deu conta da morte de um homem de 77 anos, encontrado morto em Kinston, de manhã, suspeitando-se que tenha sido derrubado e projetado pelo vento quando ia dar de comer aos cães.

Tempestade tropical

Os meteorologistas do centro norte-americano de furacões (NHC) adiantaram que o furacão Florence enfraqueceu e passou a ser apenas uma tempestade tropical.

Um enfraquecimento significativo está previsto para o fim de semana e início da próxima semana, quando o Florence se for movendo mais para o interior", afirmou o  NHC.

Na tarde desta sexta-feira, o furacão Florence chegou finalmente a terra, atingindo os estados norte-americanos da Carolina do Norte e do Sul, como previsto, causando chuvas torrenciais, cheias de grande diimensão e quedas de árvores.

Mais de meio milhão de pessoas ficaram sem eletricidade nos estados norte-americanos afetados, na costa sul atlântica.

No condado de Wake County, onde se localiza a cidade capital da Carolina do Norte, Raleigh, foi oficialmente lançado o alerta para o perigo de cheias.

O perigo de devastação, contudo, é ainda uma realidade, sobretudo dado a dimensão inusitada das ondas na costa atlântica. New Bern, uma cidade com cerca de 30 mil pessoas, na confluência dos rios Neuse e Trent foi "esmagada" por uma enxurrada, segundo o governador Roy Cooper.

O dia começou de uma forma extremamente perigosa e a situação vai ficar pior. Para os que se encontrem no caminho da tempestade, oiçam-me!. Fiquem abrigados", apelou o governador.

"Não há cidadãos portugueses" afetados

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas afirmou hoje que nenhum cidadão português sofreu prejuízos na passagem do furacão Florence, que está a atingir os Estados Unidos, e que o Governo está a acompanhar o alerta de "super tufão" em Macau.

O nosso gabinete consular está a acompanhar, mas para já, de acordo com as informações que temos, não há cidadãos portugueses que tenham sido objeto de quaisquer prejuízos causados por este tufão”, disse José Luís Carneiro, à margem iniciativa “Diálogos com as Comunidades: Leis eleitorais + Participação”, na Embaixada de Portugal em Bruxelas.

O Secretário de Estado explicou que nos Estados Unidos, “nomeadamente na Carolina do Norte, Carolina do Sul, Virgínia, e Geórgia”, há um conjunto de cidadãos portugueses que estão “organizados no sentido de se auxiliarem e de mutuamente se protegerem, nomeadamente na permuta de informações”.

“A própria embaixada tem um conjunto de conselhos que são conferidos a todos os portugueses que vivem naquela jurisdição”, pontuou.

O furacão Florence, que atingiu hoje de manhã a costa atlântica dos Estados Unidos, representará ainda uma “grande ameaça” nas próximas entre 24 e 36 horas, advertiu a Agência Federal das Situações de Emergência norte-americana (FEMA).

Acompanhado de chuvas diluvianas e ventos violentos, o Florence tocou terra no Estado da Carolina do Norte às 07:15 locais (12:15 de Lisboa) e já causou enormes inundações, encurralando os habitantes em casa.

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas abordou ainda a previsão de que o super tufão Mangkhut atinja Macau no domingo.

Neste momento, o gabinete de emergência consular do Ministério dos Negócios Estrangeiros acompanha o tufão que tem vindo a aproximar-se das jurisdições consulares que temos um Macau, em Cantão, em Xangai, e na China. Foi constituída uma célula de emergência na estrutura consular de Macau que está articulada com as autoridades de proteção civil de Macau e também com as autoridades de emergência consular do nosso MNE”, indicou.

Os Serviços Meteorológicos e Geológicos desativaram na quinta-feira todos os alertas de tempestade, num momento em que o ciclone tropical Barijat se afasta do território, mas as autoridades preveem que o Mangkhut atinja Macau no domingo.

Todos os sinais de tempestade tropical foram cancelados às 10:00 (03:00 em Lisboa), quando o ciclone Barijat se encontrava a 330 quilómetros de Macau.

Contudo, as autoridades da Proteção Civil de Macau, que se reuniram na quarta-feira de emergência, admitiram a possibilidade de içar o sinal 10 de tempestade tropical, o máximo, no domingo, com a chegada do "super tufão" Mangkhut ao mar do Sul da China.