Só esta quarta-feira, em apenas um dia, os confrontos entre tropas do regime sírio e milicianos da organização designada Estado Islâmico, no leste da província de Homs, no centro do país, causaram a morte a 110 pessoas.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos especificou que os falecidos correspondem a 70 militares sírios e 40 milicianos da organização, cita a Lusa.

Os confrontos ocorreram nos arredores da cidade de Palmira, cujas ruínas estão incluídas na lista de Património Mundial da agência da Organização das Nações Unidas para a educação, ciência e cultura (UNESCO).

Isto no dia em que o  número dois do Estado Islâmico, Abdul Rahman Mustafa Mohammed, foi morto por um ataque da coligação liderada pelos EUA, confirmou à BBC o ministro da Defesa iraquiano.