Os jihadistas do Estado Islâmico abandonaram algumas bases que controlavam quase na totalidade no leste da Síria, por causa do ataque iminente das forças aéreas norte-americana, avança a AFP, citando ativistas.

O grupo Estado Islâmico (EI) «começou a esvaziar muitas das suas bases e posições na província de Deir Ezzor», espeficicou Abu Osama, um ativista da região oriental do país, majoritariamente sob controlo jihadista.

Todas as posições do EI em Eshara, uma cidade a cerca de 60 km a leste de Deir Ezzor, terão sido esvaziadas.

O militante também adiantou que os jihadistas desocuparam o antigo prédio do governo na cidade de Deir Ezzor, que o EI tinha transformado no seu principal depósito de munições na região.

Já na cidade de Mayadeen, perto da fronteira com o Iraque, «fechou oito bases, deixando apenas três abertas: o ex-posto dos correios, o prédio da inteligência militar e o tribunal religioso». «Mesmo os campos de petróleo estão a ser evacuados. As famílias dos jihadistas estrangeiros que viviam nos edifícios residenciais dos campos foram retiradas».

Este aparente recuo acontece no dia em que o Presidente dos EUA quis reafirmar que os soldados norte-americanos no Iraque não vão participar em missões de combate contra as forças do Estado Islâmico.

«As forças americanas que foram deslocadas para o Iraque não têm e não vão ter missões de combate», disse Barack Obama, durante uma deslocação ao comando militar norte-americano encarregado do Médio Oriente e Ásia Central (Centcom), em Tampa, no Estado da Florida.

Recorde-se que, na Síria, os rebeldes do Estado Islâmico travaram uma grande batalha no início deste ano, tomando o controle da grande maioria da província rica em petróleo de Deir Ezzor e expulsando todos os seus rivais.

O regime de Damasco ainda controla partes da cidade Deir Ezzor, bem como o aeroporto militar da província.