Há um «número elevado» de combatentes da Tunísia, Marrocos, França e Rússia. Mas, chegam também das Maldivas, Finlândia ou mesmo de Trinidad e Tobago.