Os Estados Unidos consideram agora, após uma recente avaliação no terreno, como «muito pouco provável» a realização de uma missão de retirada - por terra ou ar - dos milhares de civis deslocados no Monte Sinjar, no norte do Iraque.

«A nossa equipa constatou que há muito menos yazidis no Monte Sinjar do que aqueles que estávamos à espera e que estão em melhores condições do que pensávamos graças ao acesso à água e aos alimentos que lhes proporcionamos», disse o contra-almirante John Kirby, porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano.

Neste sentido, ou seja, «com base nessa avaliação, as agências determinaram que uma missão de evacuação afigura-se muito menos provável», mas os Estados Unidos vão continuar a facultar ajuda humanitária aos refugiados, sublinhou em comunicado citado pela Lusa.

Pouco antes, o assessor adjunto da Segurança Nacional da Casa Branca, Ben Rhodes, tinha anunciado que Washington se preparava para decidir, «numa questão de dias», sobre a organização de uma missão de resgate dos milhares de civis deslocados no Monte Sinjar.

Milhares de refugiados yazidi estão retidos no Monte Sinjar, cercado pelos extremistas sunitas do Estado Islâmico, que controlam grande parte do norte do Iraque e do leste da vizinha Síria.

Os yazidi são uma comunidade étnico-religiosa curda, que representa uma crença com raízes no zoroastrismo, religião monoteísta fundada na antiga Pérsia pelo profeta Zaratustra.

A primeira missão australiana

A Austrália realizou a sua primeira missão de ajuda humanitária por via aérea aos refugiados no norte do Iraque, disse o primeiro-ministro, Tony Abbott.

«A missão foi levada a cabo num Hercules RAAF C-130J, que entregou dez paletes de ajuda aos civis Yazidis encurralados no Monte Sinjar pelas forças do Estado Islâmico», afirmou.

A carga incluía 150 caixas de bolachas energéticas e 340 de água engarrafada - suficientes para 3.700 pessoas para 24 horas.

«Informações preliminares indicam que a operação foi realizada com sucesso e que o avião está a regressar à base», acrescentou Abbott.

«O fornecimento de ajuda por via aérea vai continuar até que a segurança dos civis Yazidi esteja garantida e eles se possam movimentar em segurança a partir do Monte Sinjar», acrescentou.

Os Estados Unidos realizaram, na quarta-feira, a sua sétima missão de ajuda humanitária, com o fornecimento, por via aérea, de alimentos e água potável, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, referiu que um plano internacional estava a ser preparado para resgatar as pessoas sitiadas.