A Força Aérea britânica (RAF) destruiu um palácio do antigo ditador Saddam Hussein, em Mossul, no Iraque, usado pelo Estado Islâmico para treinar recrutas estrangeiros.

Uma operação “bem sucedida” e que envolveu outras forças da coligação liderada pelos Estados Unidos, anunciou o Ministério da Defesa do Reino Unido na sua página oficial.

Situado nas proximidades do rio Tigre, em Mossul, o complexo era constituído por vários edifícios, que serviam de quartel-general ao grupo terrorista. Seria usado como base dos militantes e campo de treino, sobretudo de estrangeiros.

A RAF dá conta, ainda, que nesta operação tinha dois alvos - o edifício que servia de quartel-general e um centro de segurança – e que ambos foram atingidos com “os maiores mísseis de longo alcance que o Reino Unido possui”, os 2000lb Enhanced Paveway III.

O “ataque aéreo cuidadosamente coordenado por várias nações” ocorreu durante a tarde de segunda-feira.

A operação foi desencadeada após “extensa vigilância”, que confirmou que o Estado Islâmico “estava a usar o palácio, construído pelo antigo ditador Saddam Hussein, como quartel-general e campo de treinos para recrutas estrangeiros”.

O complexo era constituído por um edifício principal, usado como alojamento e ponto de encontro dos terroristas, e “outros blocos mais discretos” usados para treino, operações, segurança e repressão.