O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, pediu a união dos jihadistas no combate do exército do Governo e dos aliados internacionais na Síria, numa mensagem áudio citada pela Reuters, esta segunda-feira.

Devemos lutar pela união dos Mujahideen na Síria, para que seja libertada dos russos e das cruzadas ocidentais. A união é uma questão de vida ou de morte para vocês", disse al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda desde 2011 quando Bin Laden morreu.

Como sucessor de Osama bin Laden, al-Zawahri tem sido o rosto da atividade da Al-Qaeda no Médio Oriente, Norte da África e Sul da Ásia. Mas o domínio do grupo tem sido desafiado pelo Estado Islâmico, que controla o território na Síria, no Iraque, na Líbia e no Iémen.

A autenticidade do áudio, difundida este domingo na internet, ainda não foi confirmada, mas o método é similar a outras mensagens transmitidas pelo chefe do grupo.

Na mesma publicação, al-Zawahiri distancia a Al-Qaeda do Estado Islâmico (EI), classificando-o de “extremistas renegados”, cujos militantes acabarão por desistir das suas crenças e métodos. 

O Estado Islâmico, que chegou a ser um dos ramos da Al-Qaeda, tem, acerca de dois anos e meio, uma linhagem própria de atuação. Em setembro do ano passado, a al-Zawahiri divulgou uma mensagem onde declarava guerra ao EI.