Um cidadão britânico - desaparecido na sequência dos atentados terroristas em Bruxelas - enviou uma mensagem de texto à sua família a dizer que estava bem quando as bombas explodiram no aeroporto, mas depois apanhou o metro onde outra explosão foi sentida, matando 20 pessoas.

David Nixon, um programador informático de Hartlepool, que agora estava a viver na capital belga, não sabia que a cidade estava a ser alvo de atentados terroristas até a sua tia lhe ter dito o que se passava. Ann Dixon enviou-lhe uma mensagem da sua casa em County Durham a perguntar se ele se encontrava bem depois de ter tido conhecimento das explosões, na manhã do dia 23 de março.

“Ele viajava de metro em Bruxelas todos os dias. Depois de nos enviar a mensagem ele deve ter ido diretamente para o metro que foi alvo das explosões. Foi apenas uma hora mais tarde”, disse ela.

David Dixon respondeu à sua tia que estava “bem e seguro”, mas uma hora mais tarde, o alívio da família transformou-se em horror, depois da explosão no metro de Maalbeck. Dixon estava a ir para o trabalho, mas nunca lá chegou e ninguém sabe dele desde então.

Um duplo atentado sacudiu, esta terça-feira, a capital da Bélgica. Duas explosões no aeroporto de Bruxelas e uma na estação de metro de Maelbeek, em pleno bairro europeu, onde se situam os escritórios das principais instituições europeias. Os ataques foram levados a cabo em hora de ponta, planeados para serem profundamente mortíferos.

O ataque foi reivindicado pelo auto-proclamado Estado Islâmico e matou, ao todo, 34 pessoas.