O papa Francisco celebrou este domingo uma missa de agradecimento pela canonização de João Paulo II na igreja de Santo Estanislau, em Roma, e na homilia destacou que o pontífice polaco «nunca perdeu a esperança» nos momentos tristes da sua vida e do seu país.

A igreja de Santo Estanislau é o templo de referência para os quase 20 mil polacos residentes em Roma e foi visitada três vezes por João Paulo II.

Na homilia, o papa destacou que, como Pedro, «João Paulo II foi uma verdadeira pedra». «Veio aqui em diversos momentos da sua vida e da vida da Polónia. Nos momentos de tristeza e de abatimento, quando tudo parecia perdido, ele não perdia a esperança. Não perdia a esperança porque a sua fé e esperança estavam em Deus. E assim era pedra, rocha, para esta comunidade», disse o papa.

Francisco sublinhou que o povo polaco foi duramente golpeado na sua história, pelo que, acrescentou, «sabe bem que para entrar na glória é necessário passar através da paixão e da cruz».

«E não o sabem porque o tenham estudado, mas porque o viveram. São João Paulo II, como digno filho da sua pátria terrena, seguiu esse caminho. Seguiu-o de um modo exemplar, recebendo de Deus o despojo total. Por isso a sua carne repousa na esperança», explicou no seu sermão.

O papa convidou os fiéis a seguirem o caminho de Jesus, mas recordou que João Paulo II dizia: «há que ser caminhantes, não errantes e que somos peregrinos, nos não vagabundos».

«Que São João Paulo II nos ajude a ser caminhantes ressuscitados», concluiu o papa, que antes de voltar ao Vaticano saudou um grupo de sem abrigo assistido pela paróquia.