O que ao início parecia ser uma espécie estranha de mamífero, acabou por ser confirmado por uma equipa de cientistas. Um híbrido de baleia com golfinho foi avistado nas águas do Havai, nos Estados Unidos.

Os investigadores do Cascadia Research Collective depararam-se com o animal em agosto do ano passado, mas só recentemente o classificaram como um híbrido de baleia Peponocephala electra e de golfinho Steno bredanensis.

De acordo com as análises genéticas, este híbrido resultou do cruzamento de um golfinho de dentes duros com uma baleia cabeça de melão – este é o primeiro híbrido conhecido do cruzamento destas espécies.

Na altura em que foi avistado, os investigadores estranharam a aparência do animal. Embora tivesse a forma típica da barbatana dorsal de uma baleia com cabeça de melão e a capa dorsal, também tinha manchas na pigmentação e uma testa inclinada, mais parecida com um golfinho de dentes duros.

A hibridação das baleias-golfinho é especialmente surpreendente nesta região, uma vez que as baleias com cabeça de melão também nunca foram vistas nesta zona. 

De acordo com a CNN, o híbrido viajava apenas na companhia de outra baleia cabeça de melão. Isso também é incomum, já que as estas baleias viajam em grupos de 200 a 300 animais. O casal solitário foi "encontrado em associação com golfinhos de dentes duros", diz o relatório.

Esta junção de espécies pode parecer estranha, mas os biólogos explicaram como é que isto aconteceu. Na verdade, estas baleias pertencem à família dos golfinhos, onde também se incluem animais como as orcas e baleias-piloto, o que facilitou a mistura das espécies.

Segundo os cientistas, esta não é a primeira descoberta de hibridação na família - também houve casos de híbridos de golfinhos-nariz-de-garrafa com baleia assassina falsa e híbridos de golfinhos comuns com nariz-de-garrafa.

Este é o primeiro híbrido confirmado entre golfinhos com dentes ásperos e baleias com cabeça de melão. No entanto, embora seja uma descoberta emocionante, os investigadores explicaram que não pode ser considerada uma nova espécie. 

A hibridação, às vezes, pode levar a novas espécies, mas na maioria das vezes isso não acontece", disse Robin Baird, da Cascadia, à CNN. 

O grupo de cientistas disse ainda que o mais provável é que a mãe do casal avistado deva ser baleia.

Se tivéssemos a sorte de encontrar o par outra vez, tentávamos colher uma amostra da baleia com cabeça de melão, para ver se ela poderia ser a mãe do híbrido, bem como obter imagens subaquáticas do híbrido para conseguirmos perceber melhor as diferenças morfológicas da espécie progenitora ", explicou Baird.

A Marinha dos Estados Unidos é obrigada a acompanhar estas espécies como parte do Marine Mammal Protection Act e da Lei de Espécies Ameaçadas, que fazem a partir do Instituto Cascadia Research Collective, realizando identificação com fotografia e análises genéticas. 

A equipa de cientistas vai voltar à costa da Ilha de Kauai na próxima semana, para continuar a investigação.