Carles Puigdemont, líder do partido independentista Juntos pela Catalunha, considerou que "infelizmente" o presidente do parlamento optou por adiar a sua investidura, após ter apelado na véspera a Roger Torrent para fazer valer a imunidade parlamentar, de forma ser empossado.

Numa mensagem vídeo gravada na Bélgica, onde continua exilado, Puigdemont disse "respeitar" a decisão de Torrent, mas advertiu que só ele poderá ser e continuar a ser o presidente do governo catalão.

Não há nenhum outro candidato ou combinação aritmética possível", afirmou Carles Puigdemont.

A mensagem divulgada nas redes sociais foi difundida ao final da tarde, segundo a imprensa espanhola, Puigdemont voltou a apelar à unidade dos deputados catalães eleitos, que defendem a independência da região face a Espanha, que é o que aqueles que nos querem na prisão ou no exílio há anos sonham", disse, referindo-se ao governo espanhol.

O apelo de Puigdemont surge no dia em que deveria ser empossado, caso estivesse em Barcelona, e face a divergências que começaram a surgir entre o seu partido e os republicanos catalães da ERC, sobre a estratégia a seguir para empossar o novo governo.