Uma mulher foi detida em Arrecife, Lanzarote, Espanha, acusada de recrutar meninas e adolescentes, e facilitar o seu deslocamento para zonas controladas pelo grupo Estado Islâmico.

Fontes do Ministério do Interior informaram a EFE de que a mulher, de nacionalidade espanhola, mantinha contacto direto com operativos do grupo ‘jihadista’ na Síria.

A investigação foi levada a cabo pelo Comissariado Geral de Informação da Polícia Nacional e continua ainda em aberto.

Para além da detenção desta mulher, a polícia espanhola já prendeu 40 pessoas com ligação ao EI, este ano. Maior parte dos crimes estavam relacionados com o recrutamento e envio de combatentes para as zonas controladas pelos terroristas.

A última detenção relacionada com o terrorismo jihadista tinha sido no sábado passado, em Barcelona. A polícia prendeu um homem de nacionalidade marroquino acusado de propagandear o jihadismo nas redes sociais.

O Ministro do Interior, Jorge Fernández Díaz, afirmou, este domingo, que a ameaça jihadista está a crescer em Espanha. Já 116 espanhóis foram identificados como combatentes no Estado Islâmico ou na Al Qaeda.