Com as eleições em Espanha marcadas para 26 de junho, o Podemos endereçou uma carta ao PSOE a propor listas conjuntas ao Senado. Os socialistas não demoraram, contudo, na resposta. Pedro Sánchez respondeu. “Não, obrigado”, de acordo com o El País.

O PSOE é um “partido com um projeto autónomo e distinto daquele do senhor Iglesias”, já havia dito Pedro Sánchez, numa entrevista, sobre esse cenário de coligação. O declinar do convite não foi, portanto, uma surpresa para o partido de Pablo Iglesias que, ainda assim, pede aos socialistas que reconsiderem.

O partido de esquerda quer realizar pactos para que o "PP não possa bloquear um governo de mudança”, como escreve Íñigo Errejón, mas os socialistas não parecem vergar, apesar das sondagens serem favoráveis a nova vitória do partido de Mariano Rajoy. Na carta, o Podemos defende que a aliança deve ser com “todos os atores sociais e políticos que defendem uma mudança”. 

Mesmo sem PSOE, o Podemos tem razões para celebrar. Na segunda-feira, fechou acordo com a Esquerda Unida para se apresentarem juntos às eleições. E juntos, e unidos, podem fazer a diferença como protagonistas do acordo de governo a sair da votação de 26 de junho.