Nasceu em Itália, a 5 de Janeiro de 1938, com o nome Juan Carlos Alfonso Víctor Maria de Bourbon e Bourbon-Duas Sicílias. Filho de Juan de Borbón y Battenberg e de Maria das Mercedes de Bourbon e Orléans, Princesa das Duas Sicílias, nasceu durante o exílio do avô, Alfonso XIII, que se viu obrigado a sair de Espanha por causa do regime franquista. A sua infância dividiu-se entre Itália, Suíça e Portugal.

Depois de ter vivido no Estoril, com os pais, os condes de Barcelona, Juan Carlos desembarcou pela primeira vez em Espanha a 9 de novembro de 1948. O pai fazia questão que estudasse no seu país.

Mariano Rajoy comunica ao país a intenção de Juan Carlos de abdicar

Formou-se no Instituto San Isidro, em Madrid, e estudou nas Academias e Escolas Militares dos três Exércitos, onde adquiriu o grau de oficial, o título de piloto militar e a paixão que ainda hoje o acompanha pelos desportos náuticos.

Foi também um atleta. Chegou a competir nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, na categoria de vela. Amante de outros desportos, o rei costuma também caçar e, no inverno, esquiar.

A democracia e o golpe de Estado

Em 1947, a Lei da Sucessão designa Don Juan Carlos como sucessor de Franco, com o título de rei. Mas o pai, Juan de Burbón, não aceitou a nomeação, por se considerar o legítimo sucessor de Alfonso XIII. Essa aceitação só aconteceu em 1977.

É proclamado rei em 22 de novembro de 1975, depois da morte de Franco. No início do seu reinado, Juan Carlos de Burbon promove a Lei para a Reforma Política, que abre a porta para a democracia em Espanha. O seu reinado fica assim marcado pelo nascimento e consolidação da democracia no país, tendo ficado conhecido como o Rei da Transição.

Em 1978, foi aprovada a Constituição espanhola, que eliminou a participação política da Coroa e converteu o país numa monarquia parlamentar de estilo europeu.

Em 1981, sofreu o momento mais difícil no seu mandato, com o golpe de Estado falhado de 23 de Novembro, desautorizando os militares, que contavam com o apoio da Coroa.

O casamento e a saúde

A 14 de maio de 1962, o rei casou-se em Atenas com a princesa Sofía da Grécia, que tinha conhecido poucos meses antes em Londres, no casamento dos duques de Kent. A 20 de dezembro do ano seguinte nasceu a primeira filha do casal, a infanta Elena. Em 1965, a 13 de junho, a família voltou a aumentar com o nascimento da infanta Cristina. Três anos depois, a 30 de Janeiro, nasceu aquele que lhe deve suceder no trono: Felipe de Borbón.

O casamento ficou marcado, sobretudo nos últimos anos, por alguns escândalos, com a imprensa cor-de-rosa espanhola a acusar o Rei de alimentar um caso com a alemã Corinna zu Sayn-Wittgenstein durante anos. A princesa alemã viajaria inclusive nas viagens oficiais e teria sido instalada por Juan Carlos no Palácio del Pardo.

Nos últimos tempos, a imprensa apontava também para desentendimentos entre o casal, incluindo em público, e a mais sensacionalista falava até em acusações de agressão à rainha.

Nos últimos anos, a saúde de Juan Carlos sofreu também duros reveses. Em 2010, foi operado a um tumor benigno no pulmão. Um ano depois, rompe o tendão de Aquiles do pé esquerdo e é operado ao joelho direito.

Em 2012, foi operado à anca direita, implantando uma prótese, depois de uma queda num safari no Botsuana. Pouco tempo depois, sofre uma luxação na mesma anca e é operado à outra anca, por causa de uma artrose. No ano passado, teve uma hérnia discal e voltou a ser submetido a uma nova operação ao quadril.

Esta segunda-feira, Juan Carlos anunciou ao chefe de Governo a sua intenção de renunciar ao trono. Mas não foi a saúde que o levou a tomar tal decisão. Terão sido motivos políticos a motivar a renúncia. O filho, Felipe de Burbón deverá suceder-lhe.