A infanta Cristina, irmã do Rei de Espanha, vai mesmo sentar-se no banco dos réus no caso Nóos.

O tribunal provincial de Palma recusou o pedido apresentado pela defesa da infanta, para que não tivesse de comparecer no julgamento.

Cristina de Borbón senta-se no banco dos réus, logo no primeiro dia, como cúmplice de delitos fiscais imputados ao marido, Inaki Urdandagarin, entre 2003 e 2006, quando era presidente do instituto Nóos.

Urdandagarin está acusado de corrupção, fraude fiscal, branqueamento de capitais e desvio de fundos públicos no valor de seis milhões de euros.

O escândalo que abalou a família real espanhola já levou o rei de Espanha, Felipe VI, a revogar o título de duquesa de Palma à infanta, título que Cristina usou desde 1997.