Os principais partidos políticos espanhóis e os sindicatos do setor da saúde teceram duras críticas ao responsável da Saúde da região de Madrid, Javier Rodriguez, que acusam de «linchar publicamente» a paciente infetada com o Ébola.

Em causa estão declarações que Rodriguez, «ministro» regional da Saúde, proferiu na Assembleia de Madrid, onde acusou a auxiliar de enfermagem, Teresa Romero Ramos, de ter mentido sobre o seu estado de saúde.

Rodriguez fez declarações posteriores a corrigir a sua expressão mas manteve o tom de acusação à auxiliar de enfermagem.

O Governo espanhol está a discutir, em Conselho de Ministros, a situação atual causada pela epidemia do Ébola e o primeiro caso de contágio em Madrid, tema que marca também uma reunião dos responsáveis de saúde do país.

Mariano Rajoy, presidente do Governo, tem vindo a apelar à tranquilidade perante este caso, devendo hoje debater com os seus ministros as medidas e os protocolos implementados.

Por outro lado, Ana Mato, ministra da Saúde, preside hoje ao primeiro Conselho Interterritorial do Sistema Nacional de Saúde (SNS), encontro dos «ministros» regionais da saúde que será dedicado, quase na totalidade, à questão do Ébola.

Ébola: aumentou o número de casos em observação

O número de pessoas isoladas em observação em dois andares do Hospital Carlos III em Madrid, no âmbito do protocolo de prevenção do Ébola, aumentou para 14, segundo informação fornecida esta sexta-feira à Lusa por fonte hospitalar. 

A auxiliar de enfermagem espanhola que foi infetada pelo ébola parecia estar a melhorar, mas o estado de saúde da mulher agravou-se nas últimas horas.