Atualizada às 19h50

A polícia britânica informou na sexta-feira que libertou sob caução um homem e uma mulher, ambos de 67 anos, suspeitos de terem escravizado três mulheres na sua casa em Londres durante 30 anos.

Os suspeitos, que não têm nacionalidade britânica, não tendo sido revelada a sua identidade, foram libertados sob caução «até uma data em janeiro, dependendo de mais investigações», indicou a Scotland Yard em comunicado.

O casal foi detido na quinta-feira suspeito de trabalho forçado e escravatura doméstica, segundo a polícia.

As mulheres, de 69, 57 e 30 anos, foram retiradas de uma casa em Londres e mostravam sinais de estarem «traumatizadas». A mais velha é natural da Malásia e as outras duas têm nacionalidade irlandesa e britânica.

Alegadamente, o casal, com 67 anos, explorava estas mulheres, mantendo-as em cativeiro contra a sua vontade fazendo delas suas escravas no trabalho doméstico.

O princípio do fim deste suposto caso de escravatura começou quando a mulher mais velha viu uma reportagem na televisão sobre uma associação que ajudava vítimas de casamentos forçados, a «Freedom Charity». A mulher conseguiu entrar em contacto com a associação que, em colaboração com a polícia, conseguiu libertar as três mulheres.

Há algumas semanas, um caso de uma jovem feita escrava sexual de um casal britânico também foi notícia.

Detidos na década de 70

Esta quinta-feira à tarde, o inspector-chefe da Scotland Yard, Kevin Hyland, revelou que o casal chegou a ser preso na década de 70, sem no entanto revelar as razões da detenção.

Sabe-se apenas que o casal tem antecedentes por violar as leis de imigração.