A Escola de Design Emile-Cohl, em Lyon, quer expandir a marca e mostrar que é internacional, mas escolheu a pior forma para o fazer.

Nas redes sociais, a escola partilhou uma foto dos alunos para promover a escola, mas acabou por alterar a identidade e a raça a alguns deles para dar uma ideia de diversidade. Quatro alunos viram a cara ser escurecida, e passaram a ser negros, e duas jovens negras foram encaixadas diretamente na foto.

As alterações foram reveladas pelos próprios alunos nas redes sociais e a escola pediu mesmo desculpa pelo sucedido aos próprios e aos familiares.

Em comunicado, a escola explica que o erro teve origem na agência de comunicação que contrataram para promover a abertura de uma nova escola em Los Angeles, Califórnia. A essa empresa foi cedido material da escola para alimentar o site e as redes sociais e a tal agência terá tido a ideia de dar àquela fotografia um toque multicultural. Usaram ferramentas de alteração de imagem, mas não foram bem sucedidos.

O contrato com essa agência já foi rescindido e o diretor da escola, Antoine Rivière, referiu, em entrevista ao L'Express, que aquela foto é a "antítese de tudo o que representa a escola, um estabelecimento aberto ao mundo com 120 estudantes estrangeiros e alunos que trabalham no mundo inteiro".