Está a ser testado ao vírus um segundo profissional de saúde que trabalhou na África Ocidental. Esta terça-feira chegou à unidade especializada do Royal Free Hospital, em Londres, a enfermeira escocesa, diagnosticada em Glasgow como portadora do Ébola, após trabalhar na Serra Leoa.

Foi nesta unidade de saúde, a mais bem preparada para combater o vírus no Reino Unido, que o enfermeiro britânico William Pooley, de 29 anos, foi tratado com ZMapp, e recuperou da doença.

O estado da paciente é considerado «bastante estável», uma vez que foi detetada a presença do vírus num estado inicial.

Apesar de o risco de contágio para outras pessoas ser «extremamente baixo», de acordo com o Ministério da Saúde britânico, estão a ser tomadas todas as medidas preventivas. A segunda pessoa, que não contactou com a enfermeira, mas também trabalhou como profissional de saúde na África Ocidental, está a ser testada ao vírus, como precaução, na unidade de isolamento do Royal Cornwall Hospital, em Truro, apesar de o primeiro ministro escocês, Nicola Sturgeon, assegurar que o risco de ter contraído o vírus é baixo.