Mais de 200 pessoas foram detidas na quinta-feira em Nova Iorque durante a segunda noite consecutiva de manifestações contra a alegada violência policial exercida cidadãos afro-americanos

A polícia nova-iorquina, em declarações à agência francesa AFP, disse  que a grande parte das detenções foi feita por perturbação à ordem pública.

Na véspera, mas de 80 pessoas foram detidas. A tensão social cresceu na sequência de uma decisão judicial esta semana. Um Grande Júri norte-americano decidiu não acusar um polícia de Nova Iorque da morte de um homem em julho. 

O afro-americano Eric Garner, de 43 anos, vendia cigarros ilegalmente na rua quando foi intercetado pela polícia. O homem, doente de asma, sofreu aparentemente um ataque que lhe provocou a morte, na sequência dos alegados esforços da polícia para o deter. O agente terá desvalorizado os sintomas do homem e supostamente não lhe prestou ajuda em tempo. 

O tribunal entendeu que não houve culpa do polícia neste caso, pelo que lhe retirou a suspeita de homicídio. Uma decisão que veio agravar o clima de instabilidade social que já se vivia desde a decisão de outro juiz de ilibar um polícia pela morte de um adolescente em Ferguson.