O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou esta segunda-feira que as mulheres não podem ser tratadas de igual forma em relação aos homens e acusou as feministas de rejeitarem a maternidade.
 
As citações do responsável do governo da Turquia surgem no site da BBC. «Não podemos colocar mulheres e homem em igualdade de condições», disse num encontro em Istambul. «É contra natura».
 
Para além destas ideias, Erdogan ainda defendeu que as feministas não compreendem o alcance da importância da maternidade para o islão.
 
Segundo o correspondente da BBC em Istambul, as declarações do presidente surgem para conquistar apoio daqueles cujas vozes estão a acusar o governo de conduzir o país para direções preocupantes.
 
O site da cadeia britânica sublinha ainda que Erdogan aconselhou publicamente as mulheres a terem, pelo menos, três filhos e condenou a prática do aborto e o nascimento por cesariana.
 
«No trabalho, não podemos tratar um homem e uma mulher gravida da mesma forma» por causa da sua «natureza delicada», afirmou. «Na nossa religião a maternidade é muito importante» e «as feministas não entendem isso, elas rejeitam a maternidade».
 
Por outro lado, e por fim, Erdogan defende que as mulheres precisam mais de respeito do que de igualdade.