O terceiro paciente com ébola a ser tratado nos Estados Unidos da América (EUA) está livre do vírus e já recebeu alta do hospital. O anúncio foi feito pelos clínicos do Centro Médico de Nebraska e pelo próprio paciente, Rick Sacra, numa conferência de imprensa, esta quinta-feira de manhã.

«Estou seguro e livre de vírus. Graças a Deus. Amo-vos a todos», afirmou Rick Sacra, de 51 anos, um obstetra de Boston e missionário que contraiu a doença quando tratava pacientes num hospital na Libéria.

De acordo com a agência Reuters, Rick Sacra foi tratado com uma droga experimental chamada TKM-Ebola produzida pelo laboratório Tekmira Pharmaceuticals Corp. O médico também recebeu um «soro convalescente», composto por anticorpos retirados do sangue de um outro médico norte-americano que sobreviveu à doença, Kent Brantly.

O quarto paciente não identificado, que contraiu o vírus e que está a ser tratado nos EUA, ainda está em tratamento na Universidade de Emory, em Atlanta.

A febre hemorrágica ébola já causou 2.917 mortos na África Ocidental, em 6.263 casos, de acordo com o último balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS), com dados que se reportam a domingo, dia 21 de setembro.

Os três países mais afetados pela epidemia, a mais grave desde que o vírus foi identificado em 1976 e que ressurgiu na Guiné-Conacri, no final de dezembro de 2013, são a Libéria, a Guiné-Conacri e a Serra Leoa.

UE contribui com mais 30 ME para a luta contra o Ébola

A Comissão Europeia vai contribuir com mais 30 milhões de euros para os esforços contra a epidemia de Ébola na África Ocidental, anunciou esta quinta-feira o presidente, Durão Barroso, num discurso em Nova Iorque.

De acordo com a Lusa, Durão Barroso falou no Encontro de Alto Nível convocado pelas Nações Unidas para a resposta ao surto do Ébola e considerou que o que se está a passar «não é apenas um grave problema de saúde, é também uma ameaça à paz e à segurança e ao desenvolvimento». O presidente da Comissão Europeia recordou também a ajuda de mais de 150 milhões de euros que a Europa já deu.

«Mas a escala de necessidades é muito grande. Precisamos que todos intensifiquem os esforços. É por isso que anuncio que a Comissão Europeia vai contribuir com um pacote adicional de 30 milhões de euros», afirmou, de acordo com o discurso distribuído aos jornalistas em Bruxelas.