Chefes militares de dez países, incluindo dos Estados Unidos, reúnem-se hoje na Jordânia para abordar o possível emprego de armas químicas na Síria, depois de um alegado ataque com esse armamento nos arredores de Damasco.

O encontro decorre à porta fechada, num lugar desconhecido pelos meios de informação e é dirigido pelo chefe do Estado Maior Conjunto norte-americano, general Martin Dempsey, e pelo seu homólogo da Jordânia, general Misha al Zaben, informa a agência EFE citando fontes governamentais jordanas.

Além desses dois países, participam na reunião chefes militares do Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Canadá, Turquia, Arábia Saudita e Qatar.