Um deputado boliviano do partido presidencial disse que organizações sociais do departamento de Potosi, no sudoeste do país, decidiram castigar com chicotadas quem não votar no partido do Presidente Evo Morales nas eleições de outubro.

Eleito pelo Movimento para o Socialismo (MAS, na sigla em Castelhano) por Potosi, Luis Gallego afirmou, segundo a agência noticiosa boliviana Fides, que várias organizações sociais, indígenas e sindicais do norte deste departamento decidiram «em assembleia geral» controlar o voto no partido governamental durante o dia do sufrágio e impedir o voto cruzado.

O voto cruzado consiste em apoiar o candidato presidencial de um partido e um candidato a deputado por outra força política, prática que Evo Morales tem criticado, pedindo aos seus apoiantes que a evitem para assegurar a maioria oficial no parlamento, como conta a Lusa.