O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou, na sexta-feira, que as eleições celebradas no Burundi, nas quais foi reeleito o atual Presidente, Pierre Nkurunziza, não foram um processo “nem credível nem legítimo”.

O anúncio dos resultados eleitorais no Burundi “foi o culminar de um processo eleitoral com muitos defeitos, marcado pela violência e que não teve em consideração os direitos humanos e civis dos cidadãos do Burundi”, indicou Kerry, num comunicado.

“Os Estados Unidos estão profundamente dececionados com a violação dos acordos de Arusha por parte do Presidente Nkurunziza, e pelo recurso a meios não democráticos para manter o poder num processo eleitoral que não foi nem credível nem legítimo”, afirmou o chefe da diplomacia norte-americana.