O partido antissistema e eurocético Movimento 5 estrelas (M5S) venceu a primeira volta das eleições regionais em Roma, derrotando o candidato do Partido Democrático, do primeiro-ministro Matteo Renzi.

A candidata Virginia Raggi, advogada de 37 anos, arrecadou 35,3% dos votos enquanto Roberto Giachetti ficou com 24,8%, de acordo com os dados do Governo, citados pelo Corriere Della Sera. Ambos vão disputar uma segunda volta a 19 de junho.

Os resultados refletem a revolta dos cidadãos da capital contra o partido de Renzi, depois de uma série de escândalos. Foi o ex-presidente da Câmara de Roma, Ignazio Marino, quem denunciou ligações entre funcionários e o crime organizado, em 2014, depois de ser abordado por criminosos - o caso conhecido como "Mafia Capital" -, mas acabaria por se ver envolvido numa outra polémica em 2015, acusado de usar dinheiros públicos para pagar despesas pessoais. Marino acabaria por perder o lugar de presidente quando mais de metade dos deputados que o apoiavam se demitiram.

Se Raggi vencer a segunda volta, o M5S ganhará um novo alento para disputar as eleições nacionais em 2018, onde o fundador – o comediante Beppe Grillo – deverá ser candidato.

Logo depois de Roma, a cidade que importava assegurar é a capital financeira, Milão. Aqui, o candidato do PD foi escolhido “a dedo” pelo partido de Renzi, Giuseppe Sala, o homem que liderou a organização da Expo 2015.

Segundo a Reuters, Sala venceu por 41,7%, uma curta margem para o candidato de centro-direita Stedano Parisi, que conseguiu 40,8%.

Em Turim, o candidato Piero Fassino, também do PD, venceu com 41,8% dos votos, ficando à frente da candidata Chiara Appendino, do M5S, que conseguiu 30,9%.

Em Nápoles também haverá segunda volta, mas sem qualquer candidato do PD. O independente Luigi de Magistris conseguiu 42,6% dos votos contra os 24,1% de Giovanni Lettiere, de centro-direita.

Na última das grandes cidades, Bolonha, o candidato do partido de Renzi, Virginio Merola, venceu a primeira volta com 39,5% dos votos, e vai enfrentar Lucia Borgonzoni a 12 de junho, que alcançou 22,3%.